Curso para leiloeiro judicial


Artigo Publicado em: Cursos


Oferecer vagas na esfera pública faz parte do cronograma de qualquer país ou Estado. Em cidades, através de prefeituras, não é diferente. Coordenada pelo prefeito e por vereadores através do voto popular, cada município conta com uma ampla rede de funcionários em seu quadro, dividindo-se em diferentes funções, de acordo com seus concursos prestados.

Em uma delas está a parte de leiloeiro judicial, cargo que, se considerado apenas o estado paulista, já se tem uma grande rede de trabalho. Afinal, estão espalhadas, apenas pela região estadual, um total de 645 prefeituras, cada uma carecendo de responsáveis por essa parte, selecionados através de exames públicos.

Enquanto isso, indo para dentro do limite federal, o interessado também pode conseguir um bom mercado de trabalho em autarquias e até mesmo empresas privadas como os bancos, que assim como órgãos públicos, também fazem leilões constantes e, por isto, precisam da capacitação profissional para aperfeiçoar a atuação na área.

Já no que se diz respeito à função de leiloeiro judicial, em sua essência, o indivíduo precisa, como dito anteriormente, ser aprovado no concurso voltado para a área. Por lá, entre os temas relacionados, serão vistas questões propostas na lei, como, por exemplo, a legislação federal pertinente à profissão e fiscalização.

Na parte pessoal, temas como relação custo-benefício, eventuais clientes em potencial, formas de captação de recursos, organização, elaboração de anúncios e métodos de venda, entre outros também serão abordados, a fim de preparar, com melhor qualidade, o futuro profissional da área.

Mesmo assim, não é necessário ter grande qualificação estudantil para se inscrever. Ao todo, o interessado precisa ter apenas, no quesito escolaridade, o ensino médio completo, não sendo de obrigatoriedade, para poder concursar, possuir especialização em qualquer segmento no ensino superior.

Partindo para a profissão, o leiloeiro judicial tem seu faturamento baseado na comissão, que por lei, deve ser de no mínimo 5% do valor total arrematado. Além disso, dependendo do interesse de ambas as partes, pode ocorrer também um adicional fixo, não sendo de obrigatoriedade da empresa contratante ceder o acréscimo.

Sendo assim, caso o leiloeiro judicial venha a ser o responsável por um pregão em que a totalidade dos produtos arrematados termine em R$ 5 milhões, o leiloeiro terá, de maneira obrigatória, seus 5% de comissão. Nesta situação, o valor pago seria de R$ 250 mil. Vale lembrar que, para termos de noção dos ganhos, o Fundo Social de Solidariedade do Governo do Estado de São Paulo (FUSSEP) realiza, em média, quatro leilões anuais.



Uma ideia sobre “Curso para leiloeiro judicial

  1. Aristide

    Estou interessado em agnuls cavalos que participam do leilao sela brasil, do proximodia 12.Como faco para ver os animais que tenho interesse ?ObrigadoFABIO MONTEIRO DE BARROS FILHO.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *